28 janeiro 2014

Resenha: Esmeralda





Autor: Lucius - psicografado por Zíbia Gasparetto

Editora: Vida e Consciência
Assunto: Literatura espírita, aprendizado, vida, espiritismo, cigana esmeralda, romance histórico
Páginas: 340
Sinopse: Esmeralda era orgulhosa, absoluta! Linda! O mistério maravilhoso de sua dança em meio ao povo arrancava olés e aplausos acalorados. Sempre desejada, despertava paixões, exacerbava sentimentos, era amada.
  Porém não amava ninguém.
  Indiferente, pouco se importava com a dor dos seus apaixonados, exigindo tudo deles sem nada dar em troca.
   Foi em Valença, na primavera, que Esmeralda encontrou o amor. E esse amor arrastou consigo o destino. 
   A vaidade tem um preço que o orgulho cigano sempre paga.
   Todas nós, mulheres, temos um pouco de Esmeralda. 





Sabedoria da vida





  Falar sobre este livro é ao mesmo tempo difícil e um grande prazer. Difícil pois retrata muito da vida e da sua complexidade. Um prazer, pois é uma história fascinante, que envolve ciganos, século XIX, espiritismo e conceitos que amo. E claro, é uma história contada por Lucius, e pelo pouco que li das histórias contadas por ele, sei que elas me satisfazem. O livro começa com um texto dele mesmo, falando sobre as nossas decisões e nossas ilusões, sobre como nos iludimos ao escolher tal caminho e ou tal visão de mundo. E poxa, o quão isso é verdade! Escolhemos, muitas vezes, nos iludir, em crenças que não nos fazem bem, e que trarão consequências no futuro. Como acontece com personagens deste livro e com Esmeralda. A vida traz aprendizado, riqueza de sabedoria, como constataremos com esta leitura. E no final, as peças se encaixam, em seu destino certo. Tudo contribui para o crescimento e a elevação espiritual, em perfeita harmonia, nos planos de Deus. Num amor extremamente sublime, capaz de nos salvar e nos redimir, apesar das nossas ilusões. 

   Ao entrarmos na história, nos deparamos com Carlos, um rico e jovem fidalgo, que se aventura em festas do povo. Numa dessas festas, se depara com uma linda cigana que o cativa com sua dança e seus mistérios. Após passar uma noite com ela, ele decide seguir com ela e seu povo até outros lugares. Ela havia o convidado para que ficassem juntos. Ele, sabendo da impossibilidade da situação devido aos convênios sociais, como o fato dele ser de uma família de fidalgos e ter implicação religiosa (a Igreja controlava tudo naquela época, e os ciganos eram mal vistos e chamados de hereges), sabia que a união deles não seria possível. Em sua mente, só havia o plano de seguir com ela por um tempo e depois retornar para a casa de seu pai. Porém, ao chegar ao acampamento cigano, não consegue falar com Esmeralda. Irritado, toma a estrada. E é aí que é assaltado e ferido, sendo deixado no caminho pelo qual Esmeralda passaria depois. Por conhecê-lo acaba cuidando dele, com a ajuda de seu grande amigo Miro. Ao despertar e se recuperar, um grande amor cresce entre Carlos e Esmeralda, uma grande atração une aqueles que tanto relutavam em se apaixonar antes. Esmeralda sempre foi livre e fez o que quis, tendo todos os homens aos seus pés, sem nunca se apaixonar por ninguém. E Carlos, aventureiro como era, se vê igualmente apaixonado pela cigana.

  E agora? Ao passo que o romance deles se desenrola, é impossível não torcer para os dois, mesmo sabendo que o romance é impossível diante as situações. Ainda que as visões que tenham diante de algumas coisas sejam ilusões. Dá para perceber que numa hora ele teria que voltar, e se voltasse para a família, voltaria para Esmeralda? Ah! Eu queria muito que sim! Romântica até nos ossos, eu tinha que torcer para que este amor desse certo. Porém, as desilusões vêm. Atitudes não foram tomadas, a vida levou o que tinha que levar. E nem sempre é o que queremos que seja. Carlos volta para casa e a situação que se abre diante dele faz de tudo para que ele não volte para Esmeralda, apesar da saudade. E ela se vê cada vez mais receosa de perder o homem que fez com que seu coração se entregasse.  Até que entre idas e vindas, encontros e desencontros, a vida segue o que precisa seguir, e Carlos acaba se casando com outra mulher: Maria. Maria é uma personagem muito lúcida, que possui fé em Deus e uma mente adiantada para seu tempo, em que as mulheres que vivem em castelos vivem enclausuradas, sem controle de si mesmas, presas às vontades dos maridos, sem nem poder pensar por si próprias. E eu pensei no quanto deveria ser difícil, olho para o nosso mundo e penso em toda a liberdade que temos, de fazer nossas escolhas e sermos felizes. Só consigo pensar em como deveria ser desanimador viver em um castelo escuro daquela forma... Uma provação difícil. Então claro que por isso e muito mais, me simpatizei com a vida cigana. A dança, a sabedoria enorme que traz, a vidência e o lado espírita... Fica notório novamente como fato histórico o controle que os sacerdotes católicos exerciam sobre as pessoas e a hipocrisia que traziam. Coisas do homem, não de Deus. Uma pena! E ainda bem que houve a evolução e a melhora. Viva a liberdade e a lucidez! 

   Carlos se casa, e Esmeralda, distante, espera um filho dele. Como ele não retorna, não sabe da gravidez de Esmeralda. Esta, por sua vez, não quer o filho. Miro, seu amigo fiel e também muito lúcido, a convence a ter a criança, mesmo que a doasse para alguém depois. O coração de Esmeralda se nubla, em meio à ilusões de vingança e rancor que a atormentam. Tendo seu ódio alimentado por Álvaro, que também quer se vingar do casal, passa anos remoendo o sentimento e pensando numa vingança. Entre mais ilusões e erros. Enquanto Carlos enfrenta seus próprios desafios com sua família. Vemos conflitos espirituais na trama, que influenciam na vida dos personagens. E como sempre, os vários personagens envolvidos acabam por ter uma ligação ao final, quando descobrimos que nada é por acaso. O que dá felicidade e esperança pela vida, por saber que tudo está seguro e que há um plano maior que nos cerca e define nossos destinos. Há a felicidade de saber que temos um amor maior por nós, a felicidade por saber que não estamos sozinhos. A alegria enorme de reconhecer que há um Deus justo e bom, diferente do que alguns retratavam na época. 

   Esmeralda é um livro fantástico, que instiga para ser lido, nos atiça para descobrirmos o que vai acontecer. E ainda mais, para descobrirmos por que motivo tal coisa aconteceu. É verossímil e traz a vida. Com personagens imperfeitos como nós, que cometem erros, decepcionam quem amam, se deixam levar por suas ilusões, por sentimentos ruins, mas que se desiludem e aprendem cedo ou tarde, como manda a lei da vida. Personagens que vivem, amam... E personagens que trazem uma visão com a qual é impossível não refletir e aprender, como Miro (amigo de Esmeralda) e sua sabedoria cigana e Maria (esposa de Carlos). Gostei muito desses dois personagens, pelas suas reflexões, conselhos, atitudes e etc. Esmeralda é um livro que fala sobre amor, mas que toca muito no saber amar. No aprendizado de amar alguém verdadeiramente, de compreender a vida e esperar e lutar por esse amor. De se encantar com alguém, e querer sua felicidade, sem prendê-lo ou subjuga-lo à seus desejos egoístas e tão distantes do amor. Amar tem que ter liberdade, libertação, escolha, descoberta de si mesmo, doação ao outro... E tudo o que vem junto do amor é felicidade. Acredito que podemos amar alguém, mas que pouco a pouco, vamos aprendendo a melhorar nosso amor, aceitando conceitos e nos inspirando para a melhora e para a alegria do outro. Amar é um ato divino. E tenho certeza de que Esmeralda, onde estiver, aprendeu muito mais desde aquela vida e que ainda alcançará voos muito belos e cheios de bondade e aprendizado. Assim como os outros participantes desta história, que aceitaram compartilhar conosco tamanho saber. Obrigada! E luz a eles! Sempre!

   Leitura super recomendada, como sempre, não poderia ter menos que a classificação 5 estrelas.






  Obs: esta resenha foi feita pela minha óptica e opinião pessoais. Não como um meio de tentar convertê-lo a nada. Creio no sentido educativo de tais obras e no espiritismo, de modo que a resenha retratada tem a visão de alguém que crê em tais conceitos. Se discorda, respeite, assim como respeito sua visão e opinião, sem pedir que mude.



 Beijos açucarados









17 comentários:

  1. Vivi, eu li esse livro há muitos anos, praticamente li todos os livros da Zibia Gaspareto, sua resenha agora me fez voltar no tempo, adorei!
    O meu livro preferido da autora é O Matuto, é muito bom!

    Bjks

    Patty Santos - Blog Coração de Tinta
    http://www.coracaodetinta.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal, Patty!! Fico feliz em saber que você também gosta de livros espíritas. :D Ainda não li O Matuto, mas já ouvi falar. Vou procurar. xD
      Beijos!

      Excluir
    2. Esse foi o primeiro livro que li, eu adorei, depois disso li varios livros da Zibia

      Excluir
  2. Tive o enorme prazer de ler este livro a uns 3 anos atrás mais ou menos. Eu que já gostava da Zibia, pirei com este livro. Muito bom mesmo!
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Já fiz muitas pesquisas para saber mais, se era um fato real podem com nomes trocados coloquei trechos, brasao citados e nada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se é real porque não achei nada sobre a tal família nobre? Pesquisei entre espanha e até frança, claro o nome não era carlos, mais se tinha terras de melhores vinhas, tinha que ter algo e ão acho, já procurei sobre o trecho dos mortos presos no subterrâneo..casamentos nobres entre 4 anos a + e a -, já Pesquisei brasao, já li o livro 8 vezes com muita atenção, porque eu tenho uma cigana esmeralda da espanha, mais ela ainda não me falou a história dela, apenas. Tenho sonhos, eu só queria achar a ponta do fio e ir procurando antecessores etc até achar quem foi esse fidalgo, fiz amizades com pessoas que moram em madrid e estão me ajudando, mais a única coisa que é fato por enquanto é o convento san agustin

      Excluir
    2. É uma história antiga, não é como hoje em dia que encontramos vestígios de praticamente tudo com tanta facilidade. Para crer na história é preciso de algo mais preponderante que isso que está a procurar.

      Excluir
  4. li esse livro há uns 9 / 10 anos atrás , nunca li um livro assim , lindo a história a esmeralda, faz você viajar por um telão imaginário ,

    ResponderExcluir
  5. li esse livro há uns 9 / 10 anos atrás , nunca li um livro assim , lindo a história a esmeralda, faz você viajar por um telão imaginário ,

    ResponderExcluir
  6. Vivian, minha filha tem onze anos, quase doze, e pediu esse livro de presente. Eu não sei o por que. Minha preocupação é quanto ao conteúdo e linguagem do livro. É um livro adequado para essa idade? Gustavo, 42, Manaus.

    ResponderExcluir
  7. Vivian, minha filha tem onze anos, quase doze, e pediu esse livro de presente. Eu não sei o por que. Minha preocupação é quanto ao conteúdo e linguagem do livro. É um livro adequado para essa idade? Gustavo, 42, Manaus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se ela pediu é porque precisa ler.. kkk :)
      Li há muito tempo, mas pelo que lembre não há nada que seja inadequado para menores de 14 anos. Tenho uma prima bem nova também que lê os livros da autora, a mãe dela vigia bem tudo e aprovou a leitura deste livro, então eu indicaria sim.
      Desculpe a demora para responder.
      Espero que ela goste.
      Abraço

      Excluir
  8. Ali Cabral (alicecabralr@hotmail.com)
    Linda história!!! Acabei de terminar a leitura de Esmeralda ontem. Comprei no dia 30/11, data de aniversário de minha mãe falecida, e comecei a ler nesta semana e acabei me deliciando por ele e terminando a leitura ontem. É muito interessante e sou também adepta a ideia Kardecista. Na verdade, quando entrei na livraria espírita e estava a procura de um livro que falasse um pouco sobre a vida e a morte, já que eu tinha acabado de perder minha mãe no dia 16/11 deste ano, a leitura espírita me cabia muito bem e reconfortava-me. 2015, ano de muitas mudanças e transformações em minha vida, coisas que eu pressentia e tinha receio que ocorresse, me pegou desprevenida e foi com grande surpresa e tristeza. E o infortúnio veio à tona. Ela descarnara. Eu já tinha o hábito a leitura de Zibia Gasparetto, mas estava um pouco afastada. Minha mãe também gostava muito dos romances dela e lia bastante, inclusive herdei muitos livros da Zibia, graças a ELA. Mas nunca tinha escutado falar deste livro (Esmeralda), até que a recepcionista da livraria me indicara, diante da procura por livros da Zibia ou relacionados ao tema que eu queria. Nesta semana comprei as doutrinas de Allan Kardec, uns 5 livros, que falta mais um ou 2 da coleção, pois estava em falta na livraria; bem como 2 livros do Divaldo Franco, que ainda não li, outro palestrante maravilhoso, onde vi vídeos no youtube dele e me encantei. Enfim, vim contar um pouco do que achei desta história surpreendente, que nos envolve, enquanto espectadores. Gostaria Vivian de indicações de romances como este, entre outros livros espíritas. Como já disse, sou espírita e acredito na doutrina. Obrigada pela bela postagem sobre o livro Esmeralda. Este livro merece ir para os cinemas. Quem sabe... Um grande abraço e luz sempre em seu caminho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ali!!
      Tudo bem?
      Que bom que o livro te ajudou :)
      No blog tem mais duas resenhas de livros da Zíbia. Dá uma olhada na parte "Resenhas". Eu não tenho lido muitos livros de ficção do tipo ultimamente para indicar. Mas você pode encontrar dicas maravilhosas no blog do livro espírita. É só pesquisar no google. Lá tem resenha de um tudo do assunto. Leia sim os livros da doutrina, são maravilhosos. Também já li, mas não resenhei porque não há o que falar, é pessoal demais para cada um.
      Beijão e boas leituras ;)

      Excluir
  9. Estou lendo o livro agora estou no quinto capítulo mais estou apaixonada pela história adoro Zíbia Gasparetto e minha autora favorita

    ResponderExcluir

Comentem à vontade, reflitam bastante, se divirtam e suspirem. Por favor, respeitem as seguintes regras:

-Os comentários devem se referir ao post em questão.

-Comentários que só contém divulgação de blogs estão proibidos. Se quiserem, comentem e deixem o link do blog no final. Sempre respeitando, o espaço alheio.

Muito obrigada e voltem sempre.

.
© Reflexão Literária - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Vivian Pitança.
Tecnologia do Blogger.